quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Impressões: Peugeot 308 Allure 2.0

Coloquei as mãos no volante de um lançamento saindo do forno aqui no mercado brasileiro, o Peugeot 308 Allure 2.0 16V Flex, modelo que esperamos faz tempo e pretende nos oferecer uma alternativa interessante no concorrido mercado de hatches médios. Confira a volta que o blog Direção Assistida deu com o modelo.

O pulo do gato. Foto: Divulgação.

Vamos voltar no tempo um pouco, quando aquele moleque espinhento de 20 anos, acostumado com os 92 cv do seu bravo Gol 1.6 98, teve a oportunidade de dirigir um Peugeot 307 Feline com câmbio manual, daquela primeira geração com visual menos agressivo, e seu motor 2.0 16V com 138 cv. Foi a primeira experiência com um carro realmente forte, que deixava rastros do Pirelli P7 com facilidade no chão e foi o responsável pela minha primeira vez aos 200 km/h de painel, inesquecível. Estabilidade incrível, freios perfeitos, belíssimo carro.

Alguns anos depois, voltei a ter contato com o 307, dessa vez foi a versão mais bocuda, com o face-lift que acompanhou o resto de sua vida. O motor era o mesmo, mas agora queimava Etanol e rendia 151 cv e tinha 2,6 kgfm de torque a mais que "meu" primeiro 307. Mesmo com o câmbio automático ridículo de apenas 4 marchas, pude me divertir bastante, como vocês puderam ver no texto. Porém, faltava algo.

Então a Peugeot lançou no Brasil o 308, nas versões de câmbio manual Active 1.6 16V (R$ 54 mil), Allure 1.6 16V (R$ 57 mil) e 2.0 16V (R$ 60 mil), e as automáticas Allure (R$ 64 mil) e Feline (R$ 71 mil), essas duas com o motor 2.0 16V. E, esse algo que faltava antes era a versão 2.0 16V manual. Por muito tempo a Peugeot matou essa configuração motor/câmbio por culpa daquele pessoal que só enxerga cifras e esquece que no país dos carros 1.0 de câmbio curtíssimo há também apaixonados por carro que babam com acelerações vigorosas e reações ariscas. 

Belíssimo. Foto: Divulgação.

O motor 1.6 16V teve modificações e eu também pude avaliar suas reações, mas falarei dele em outro momento, me concentrarei agora no hatch médio "acessível" mais delicioso dos últimos tempos. Esqueça Hyundai i30, Citroen C4, Ford Focus, VW Golf e Fiat Bravo, mesmo o T-Jet. Não há nada mais sensual ao volante do que o Peugeot 308 Allure 2.0 nessa categoria. Há pontos em que ele fica devendo? Sim, sem dúvida. Mas você não sentirá falta. É como aquela menina que tem algumas celulites, dentes meio amarelados e bebe mais do que o aceitável, mas ela te satisfaz como nenhuma Miss Universe seria capaz.

Não, eu não esqueci do Fiat Punto T-Jet, um verdadeiro foguetinho. Só que enquanto o italiano sofre com turbo lag, câmbio de engates ruins e o fim do fôlego da turbina em altos giros, o francês entrega a linearidade do motor aspirado e a força do bloco 600 cm³ maior. Na prática eles aceleram igual, mas quando chega a hora da curva, o 308 freia mais tarde, contorna a curva com maior velocidade e some. Mas o Punto vai parar para abastecer mais tarde, visto que com Gasolina faz o que o 308 só consegue com Etanol. Porém o Fiat Punto é mais caro e está na categoria de baixo, logo, vitória fancesa.

Quando abri a porta e me posicionei no banco do motorista, vi que era a mesma posição do 307, um pouco mais alta que o ideal, infelizmente. Volante, alavanca de câmbio, posição dos comandos, rádio, tudo igual, para o bem e para o mal. Não fosse pela disposição diferente dos botões do ar-condicionado dual-zone e pelas três saídas de ventilação centrais, eu não saberia diferenciar o novo do antigo. O Peugeot 408 possui o mesmo interior, exceto a nova versão com motor THP, que possui um volante mais sexy.

Nas dimensões, o 308 possui 4,27 m de comprimento, 1,81 m de largura, 1,50 m de altura e entre eixos de 2,61 m. Em relação ao 307, ganhou 7 cm no comprimento e na largura, perdeu 4 cm de altura e manteve seu entre eixos inalterado. O grande crescimento em largura (e bitolas maiores) e o fato do carro ter ficado mais baixo sugere um melhor comportamento dinâmico, mesmo como comprimento maior que se resume em balanço dianteiro/traseiro maior. E, realmente, o carro é ainda mais estável que o anterior, minhas costelas confirmam.

Interior do Feline, mas pouca coisa muda no Allure. Foto: Divulgação.

O coeur da máquina de 1.328 kg é o mesmo 2.0 16V de antes, com 151/143 cv @ 6000/6250 RPM e 22/20 kgfm @ 4000 RPM com Etanol/Gasolina, respectivamente. Diante desses números, mesmo com o Etanol desvantajoso, nem vale à pena colocar Gasolina no tanque. E, lembra quando falei da menina que bebe mais do que o aceitável? Pois é, o 308 é adepto da vida boêmia. O computador de bordo nunca mostrou nada melhor do que 6 km/l. Nem ligo, eu compraria um e plantaria trinta samambaias na varanda do apartamento para quitar meu débito com os ursos polares e a camada de ozônio.

Também nem liguei para o "crock" que os pneus Pirelli P7 225/45 R17 emitem ao serem judiados pelo asfalto tão bem conservado quanto a saúde de um sedentário fã de fast food. Esse é o melhor conjunto de pneus/rodas que poderiam equipar este carro. A suspensão, com o mesmo conjunto Mc Pherson na dianteira e barra de torção na traseira de antes, foi calibrada por um verdadeiro chef, com sal e açúcar na proporção correta, e uma pimentinha de leve, resultado perfeito, confortável na absorção de impactos e absoluta na sensação de controle do carro.

Quando finalmente a estrada me deu permissão para decolar, fiz do jeito certo. Parei no acostamento, engatei a 1ª, subi os giros de forma mal-intencionada, soltei a embreagem e fui abduzido para o planeta do tesão automobilístico. Costas coladas no banco, pneus mordendo o asfalto como um gordinho morde um Big Mac. Quando a 2ª marcha entra contendo o urro do motor, a barreira dos 100 km/h logo seria quebrada, mais uma marcha pra cima e a força da gravidade parece espremer minhas supra-renais como se fossem esponjas, jogando no sangue cada gota de adrenalina possível, tesão puro.

Logo à frente surge uma curva fechada, placas mandando reduzir, marcações no asfalto. A prudência faria essa curva a 60 km/h, eu subi no freio do 308, deixei os 4 discos serem brutalmente agarrados pelas pastilhas fazendo a traseira rebolar discretamente, como uma jovem tímida faz ao andar. Joguei uma 3ª marcha que elevou o giro e ataquei a curva, sem dó. Comecei com um leve trail braking para neutralizar a tendência, mas no meio da brincadeira o Peugeot telegrafou sua intenção de substerçar, então reduzi um pouco o ímpeto no acelerador e logo o leão estava domado, a curva ficou para trás.

O céu é o limite. Teto de vidro Cielo. Foto: Divulgação.

Nos divertimos por mais alguns quilômetros, aonde o hatch recompensava minha tocada com acelerações tesudas, frenagens irretocáveis e uma estabilidade que só poderia ser melhor se houvesse multibraços na traseira, como seus concorrentes Hyundai i30 e Ford Focus. Mas confesso que nem senti falta disso quando as abas laterais do banco praticamente socavam minhas costelas a cada curva.

Mas será que tudo o que foi dito acima serve como argumento para colocar o Peugeot 308 Allure 2.0 na sua vaga de garagem? Se não for suficiente, lembre-se que os bancos são ótimos, há apoios de braço individuais na frente, o nível de ruído é exemplar, o ar-condicionado funciona deliciosamente e a qualidade do som é excelente. Há ainda mimos como sensor crepuscular, sensor de chuva, cruise control e outras coisas que você nem vai precisar usar.

Logo, se você é apaixonado por carro e tem R$ 60 mil disponíveis na sua conta, não pense duas vezes, vá até uma concessionária Peugeot e leve um sorriso enorme pra casa, literalmente. Há o teto de vidro Cielo como opcional, mas pode ser deixado de lado, o pouco tempo que esse carro não toma toda a sua atenção, você vai usar para respirar e não para olhar pra cima.


Resumindo...


O carro é bom em desempenho, comportamento dinâmico, conforto e prazer ao dirigir, mas é ruim em consumo e desvalorização por sua origem francesa. Sua compra pode ser considerada EMOCIONAL.

Marcelo Silva

18 comentários:

  1. Gabriel Frederico1 de março de 2012 01:51

    Maneira a avaliação....e bom saber que o 308 evoluiu em relação ao 307, carro que já tive, mas infelizmente na configuração com o "ótimo" câmbio da Porsche, que se eu fosse a Porsche não colocaria meu nome naquele lixo....

    ResponderExcluir
  2. Comprei um igual, agora estou contando os dias para chegar, mais ainda depois da reportagem ...

    ResponderExcluir
  3. Bem legal a sua avaliação, mas eu gostaria de saber o que você achou do 1.6, num paralelo com o 2.0 (desempenho, consumo; enfim, o que achou do novo motor). Grato.

    ResponderExcluir
  4. Marcelo,
    Parabéns pelas diversas avaliações aqui publicadas, pois o seu estilo bem humorado e a riqueza de detalhes informa, diverte e prende a atenção de quem lê os seus textos. Parecia, até, que eu estava no seu lugar, vivenciando cada sensação que você tão bem descrevia, seja falando dos carros, ou dirigindo-os.
    Abs.
    Márcio/SJC

    ResponderExcluir
  5. Excelente reportagem, acabo de comprar um 2.0 Allure manual e sua reportagem só me deixou com mais vontade de dirigi-lo. Muito bem escrito, continue assim!

    ResponderExcluir
  6. Olá Marcelo. Parabéns pelas avaliações do 308, foram muito úteis. Eu tinha até deixado aqui(ou na avaliação do 1.6) outro comentário mas acho q se perdeu. rsrs Tentarei resumir. Estou em dúvida entre o 1.6 e 2.0 MT. Vc acha realmente que o 1.6 é uma boa, suficiente para o dia-a-dia? Uso carro 90% na cidade. Ele não deixa a sensação que está faltando potência? Vc não o testou com gasolina certo? Pois aqui, este combustível, é o que se encontra a maioria das vezes mais vantajoso. Ele é satisfatório na cidade com gasolina tb? Para se ter um parâmetro, sou acostumado com um Gol G5 1.6. Ele tem menos potencia que o EC5 mas é bem mais leve, e tem bom torque, o resultado é um carro bem ágil para o dia-a-dia. Apesar de a gente sempre querer um pouco mais de potência. rsrs Então, comparando com ele(apenas no quesito potência), deverei sentir um pouco de deficit de potência? E perder um pouco de agilidade? Agora, na estrada, se a gente quiser andar numa boa, ele vai bem certo? Só penaria mesmo em subidas e ultrapassagens que exigem mais?
    Outra coisa, quanto ao 2.0 Achei o consumo atestado por vc muito elevado no 2.0 Mas vc o dirigiu, ou melhor, pilotou rsrs chinelando certo? O que aumenta muito. Pois já ouvi dizer que a diferença de consumo entre o 1.6 e 2.0 nem seria tão grande. Pois precisaria se pisar mais para o 1.6 empurrar o carro.Então gostaria que respondesse sinceramente: na prática, usando o 2.0 manual na cidade de forma moderada e adequada, quanto vc acha que ficaria o consumo dele? Já cheguei a ler 6.5 com etanol. O que seria bom, já que na última aferição com o Gol, deu 6.3. O trânsito anda pesado por aqui. Então vc acha que seria possível essa marca? Quanto acha q poderia fazer com gasolina? Agradeço realmente se puder responder quanto a essas dúvidas. Abraço

    ResponderExcluir
  7. Outra coisa que queria perguntar é quanto as rodas 17 do 2.0 MT. Pois vi alguns comentários que elas deixam o caro muito duro e até mesmo inviável para o dia a dia das ruas brasileiras. Batem seco em buracos. Vc confirma/concorda com essas afirmações? Aqui em casa tem um i30, que tb tem rodas 17. Acho ele blz para rodar no dia a dia. Não acho duro. Acho bem equilibrado em relação conforto/desempenho. O que acha? Agora, as rodas do 308 2.0 tem perfil bem baixos né? Então acredito que devam ficar mais desconfortáveis em ruas ruins. Concorda? Obrigado. Abç

    ResponderExcluir
  8. Acabo de pegar meu 308 2.0 MT e estou achando fantástico! Excelente carro, acabamento primoroso, muito conforto e tecnologia, o teto Cielo é muito bacana, mas peguei apenas porque veio de "brinde" na compra, acho que o melhor do teto é a questão estética externa. As rodas são muito bonitas e achei a rodagem no dia a dia macia, não chega a ser excelente mas também não decepciona para rodas aro 17. O Marcelo tocou num ponto que eu concordo plenamente, os bancos recebem e vestem muito bem o motorista, fator muito importante nas estradas, além de dar um enorme conforto. Cogitei o Bravo, Golf, Focus e nenhum se iguala ao 308 em beleza, desempenho (câmbio manual), conforto e tecnologia. Apesar de já ter 5 anos de Europa é um carro que não passa a impressão de ser defasado, o que se percebe no Bravo e Focus. Recomendo fortemente! Ainda não encontrei nenhum porém no meu carro e acho que não encontrarei. obs: a Peugeot pensa nos detalhes, faz coisas que carros de 300 mil reais não fazem, como farol e limpadores de para-brisas com acendimento automatico. Digo isso porque meu pai já teve um Cayenne que não fazia metade das coisas que o 308 e até o 307 faziam. Ótimo custo/benefício

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai kra, vc pagou quando nele? abraços...

      Excluir
    2. Desculpe pela demora na resposta. Aqui em Brasília paguei 59.900 cm teto Cielo na Allure manual 2.0, negociei ele na semana de lançamento, depois ouvi dizer que ele estava por 64900. Agora com o IPI reduzido caiu de novo. Vale a pena Marcus!

      Excluir
  9. Oi, Marcelo.
    Parabéns pela postagem - e pelo espaço, ao qual pretendo voltar oportunamente, com mais tempo.
    Estou pensando em adquirir um 308 Allure 2.0, mas automático (descustumei do câmbio manual e até esqueci como se usa o pedal da embreagem). O teto transparente ainda é uma questão a ser analisada carinhosamente: embora seja um atrativo a mais (do ponto de vista emocional, como você bem diz), esse "mimo" aumenta ainda mais o preço do carro sem oferecer qualquer contrapartida de ordem prática. E na hora de revender (eu costumo trocar de carro a cada dois anos), a desvalorização é brutal - coisa que estou enfrentando agora com meu Corolla GLI 10/11 automático, cotado a 58 mil na FIP, mas que nenhuma revenda paga nem 50 mil na troca!
    Enfim, um grande abraço e até a próxima. Se tiver tempo e jeito, dê uma passadinha lá no meu Blog (www.fernandomelis.blogspot.com.br).

    ResponderExcluir
  10. Muito boa a avaliação, texto excelente. parabens.

    ResponderExcluir
  11. peguei um allure 2.0 manual branco com teto, couro, sensor estacioanamento traseiro, alarme e emplacamento por 56k a vista...ficou bom né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ficou bom demais, paguei 59 no mesmo carro sem sensor, couro e alarme. Qual cidade voce fez esse negocio?

      Excluir
    2. Onde vc comprou este carro, tenho muito interesse em comprar um , ainda maisnpor esse preço.

      Excluir
    3. Cidade: Uberlandia Concessionaria: Automobile
      Vendedor: Edson

      Excluir
  12. oisrato onde vc fez um negócio bom destes??

    ResponderExcluir
  13. pois bem.......agora em na máquina do tempo......em 2014......rssss..............pretendo adquirir um allure 2.0 mecanico ....com teto cielo........................achei um carrão.....................mandei colocar couro e sensor de ré ................acho que falta mais nada..............................abraços

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...